Cidades desenhadas para pedestres

Sim. As pessoas têm o direito de circular a pé na sua cidade, com conforto e segurança. Cada vez mais organizações civis pedem para a mobilidade se tornar mais humana e democrática.

Separamos algumas cidades que são planejadas para pedestres. Isso mesmo! E não por causa do turismo, mas em função da melhoria na qualidade de vida das pessoas. Pura mobilidade humana!

Algumas cidades italianas estão entupidas de carros, já em outras, os veículos de quatro rodas estão ausentes das ruas estreitas e praças.

Florência (Itália)

A paisagem urbana intei­ra­mente desenhada, com o homem como medida, é protagonista da cidade medieval. Tudo nela foi projetado para ser aproveitado pelos pés e olhos humanos: as dis­tân­cias entre um lugar e outro, a largura das vias, a oferta de lojas e serviços, a gentil curvatura das ruas, a pers­pec­tiva dos arcos, o abrigo das colunatas, a dis­po­si­ção de praças e de igrejas e os monu­men­tos. Tudo pode e foi pensado para ser per­cor­rido a pé. Pra­ti­ca­mente não há lugar para esta­ci­o­nar porque, natu­ral­mente, ninguém previu a dependência automotora dos cidadãos, que até hoje preferem ser pedestres e ciclistas do que motoristas.

Os pedestres ao noroeste do hemisfério norte têm que levar sempre guarda-chuva para andar na cidade, mas conseguem, problemas, desfrutar dos espaços construídos para eles, se importar o lado da fronteira EUA / Canadá onde se encontrem.

O Departamento de Transporte de Seattle adotou uma abordagem muito científica para melhorar a infraestrutura deca minhar da cidade. As melhorias foram realizadas através da medição do fluxo de pedestres para que os projetos pudesser direcionados nas áreas precisas, melhorando a segurança dos já existentes passos e, assim, tornar mais fácil e mais seguro atravessar ruas a pé.

Enquanto essas melhorias que tornaram Seattle mais amigável para os pedestres, Vancouver é uma cidade que se preocupa com eles há mais tempo. Ela se vangloria de uma grande rede de transportes públicos e muito espaço, que foi reservado com os pedestres em mente. O Granville Island, por exemplo, é um antigo bairro de depósitos industriais que hoje abriga lojas e mercados, além de ser um local favorito para passeios de turistas e moradores da região. Vancouver é uma cidade compacta, pois foi construída verticalmente pelos planejadores urbanos, desde o seu começo.

Granville Island (Vancouver)

 

Com o lema , o prefeito de Paris, , vem implantando nos últimos anos ações para melhorar a vida da população que quer se locomover à pé. Uma via expressa foi fechada para a circulação de veículos motorizados no centro de Paris e, agora o espaço entre o e o (cerca de 2,5km nas margens do rio Sena) é totalmente voltado ao lazer, ao esporte e à cultura. O jardim flutuante, em especial, com cerca de 1800 m2, é formado por , onde cada ilha tem uma vegetação diferente, com identidade própria, que representa cada um dos diversos tipos de paisagens do rio Sena.

Isso se junta às existentes ruas de paralelepípedos e pistas que estão bloqueadas para o tráfego de automóveis, tornando possível explorar o lado autêntico de Paris, ao lado de seus moradores, ter que se esquivar de veículos buzinantes. E para completar, o famoso metrô da cidade torna possível andar pela cidade toda ter que entrar em um táxi, carro ou ônibus.

Outro exemplo de uma grande cidade europeia com pensamento amigo do pedestre é Barcelona. A segunda maior cidade da Espanha (ou primeira cidade para os loucos por diversão noturna e por praia) é o lar de La Rambla (às vezes chamada em plural: Las Ramblas). Esta enorme via de pedestres é o coração da cidade. Lojas, restaurantes, vendedores e artistas de rua fazem desse lugar excepcionalmente emocionante para andar.

Ponte pedestre no porto de Barcelona.

Pedestres podem continuar a sua caminhada ao longo do porto de Barcelona ou podem passear até a outra extremidade da avenida, chegando até a Praça de Catalunya, no centro da cidade. Também, a poucos passos de La Rambla, tem o famoso Bairro Gótico de Barcelona, que está cheio de igrejas do século 15 e praças históricas. É assim que você pode viver Barça a pé.

Quase carros, as ruas de Hong Kong são cheias de ônibus de dois andares, táxis e outros veículos. Contudo, há ordem no meio do caos. Ruas bem organizadas, com faixas de pedestres e semáforos, fazem dessa cidade um lugar muito fácil de atravessar e andar a pé com segurança. Orientações úteis são pintadas em faixas de pedestres e laterais que dizem para onde olhar e observar o tráfego que se aproxima. As principais estradas têm calçadas largas, que podem acomodar a grande quantidade de pedestres que habita a cidade.

Todo o território (ou pelo menos os principais centros da Ilha de Hong Kong e Kowloon) é bastante compacto, de modo que andar entre a maioria dos locais importantes da cidade, é fácil (embora os pedestres possam encontrar algumas subidas no lado da ilha de Hong Kong). Um dos melhores sistemas de transporte público do mundo faz com que seja possível viver completamente livre de carro. Entre o metrô, ônibus e um sistema ferroviário de longo alcance, praticamente todos os cantos de Hong Kong podem ser alcançados pelo transporte público e as caminhadas.

Hong Kong
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s